Notícias



Resíduos sólidos em debate no Ação Ambiental 2014


Seis milhões de toneladas do lixo produzido no Brasil têm destino desconhecido. O número, que representa 10% do total de resíduos sólidos, foi dado pela Abrelpe (Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais) no encerramento das atividades do Seminário Ação Ambiental 2014, evento realizado entre os dias 3 e 5 de junho pelo sistema FIRJAN em comemoração à Semana do Meio Ambiente.


A representante da Abrelpe, Gabriela Otero, disse ainda que, de todo material dispensado com fim identificado, 58% recebe tratamento adequado, como aterros sanitários ou usinas de reciclagem (4% dessa quantidade), e 42% são despejados em lixões ou em outros locais impróprios. "Precisamos de uma atuação de cooperação entre os setores público, privado e a sociedade. Compartilhando essa responsabilidade, teremos um compromisso com o sucesso", afirmou.


Além do gerenciamento de resíduos sólidos, os palestrantes também discutiram a logística reversa. A gerente de projetos da Abividro (Associação Técnica Brasileira das Indústrias Automáticas de Vidro), Ana Paula Bernardes, apresentou as medidas adotadas pela indústria do vidro como bom exemplo de sustentabilidade. Segundo a gerente, apesar de o setor ser precursor na prática da devolução, já que o vidro é facilmente reciclado, ainda existem muitos problemas a serem resolvidos. "Os desafios implicam em solucionar as disparidades entre os municípios, melhorar a coleta seletiva e resolver o problema das cidades distantes que não possuem fábrica de vidro", enumerou.


O diretor de Responsabilidade Socioambiental da Abinee (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), André Saraiva, criticou as políticas públicas relacionadas à regulação da dispensa e do recolhimento de equipamentos eletroeletrônicos em desuso. De acordo com Saraiva, "a aprovação de um documento nacional que não preserve as leis estaduais e municipais é necessária para facilitar o fluxo dos materiais por todo território".


O coordenador de projetos de Resíduos Especiais da ComlurbMauro Wanderley, informou que cada habitante do município do Rio de Janeiro produz 1,3 kg de lixo por dia. "Esse é o momento de repensar nossos modelos de consumo e as estratégias de marketing para reduzir as embalagens de utilidade questionável", defendeu. Segundo Wanderley, 35% de todo resíduo sólido da cidade é recolhido nas vias públicas, o que chega a 9,5 mil toneladas diárias.


Fonte: Firjan
Ação ambiental 2014

Publicado em 09/06/2014


webTexto é um sistema online da Calepino
Marcos Criação